!-- Javascript Resumo Automático de Postagens-->

sexta-feira, 24 de março de 2017

19 anos e eu nunca...


Há uns tempos atrás, li um post muito giro no blog da Lyne e, tal como muita gente na blogosfera, não resisti em aderir ao desafio. Não escrevi mais cedo porque tenho andado super atarefada com o meu estágio, e só agora é que tive cabeça para me sentar em frente ao computador e teclar algo de jeito.

Foi uma tarefa um pouco difícil lembrar-me daquilo que nunca fiz. Obviamente que não sou a pessoa mais experiente do mundo, por isso tenho a certeza que existem muitos "nuncas" na minha vida, porém estes foram aqueles dos quais me lembrei ( e que espero que, um dia, sejam riscados da lista).


1. Namorei/beijei um rapaz: Tal como eu uma vez admiti aqui, eu nunca tive um namorado. O mais próximo que tive de um namorado foi no 1º ano, quando me "casei" com um colega meu, mas até esse se divorciou de mim no dia a seguir ahahah. Brincadeiras à parte, não vou ser aquele tipo de raparigas que justifica que isto aconteceu porque " sou feia" ou " não tenho uma boa personalidade, ninguém me quer". Simplesmente não se proporcionou. Talvez o facto de eu ser tímida ou sair pouco não ajude muito, porém o que é certo é que nunca aconteceu. Já me martirizei por isto, mas agora estou tranquila, quando tiver que acontecer, acontecerá.

2. Organizei uma festa de pijama: À semelhança da Lyne, nunca organizei uma festa de pijama. Pelo menos, não no sentido verdadeiro da palavra, com direito a várias amigas, pipocas e filmes de terror. Já fiz algumas festas de pijama com a minha prima, mas penso que essas não contam. Anyway, ainda vou a tempo de fazer uma ( porque sim, as festas de pijama em adulto também são fixes apesar de, obviamente, terem que consistir em atividades diferentes).

3. Recebi amigos meus em casa: Quando era mais nova, isto foi por proibição dos meus pais, por serem protetores e por não lhes agradar de terem meia dúzia de crianças barulhentas em casa. Quando cresci e me mudei para um apartamento, foi por ser um apartamento pequeno e, portanto, eu e os meus amigos preferimos sempre reunir em casas de amigos maiores e em que pudéssemos falar à vontade, sem que as nossas conversas fossem ouvidas na divisão ao lado ou fossemos interrompidos por a presença inesperada de num familiar que não tem outra divisão para onde ir.

4. Fui a um festival de música: Já fui a alguns concertos, poucos ( não sei se os do Enterro da Gata contam), no entanto nunca fui a um festival de música. Não foi por falta de gosto pela música ( muito pelo contrário!), mas sim por falta de oportunidades, e também porque a ideia não agrada muito aos meus pais ( eles acham que festivais de música é só para bêbedos ou drogados; shame on them).

5. Aprendi a nadar: Nunca aprendi a nadar, apesar de ter andado na natação durante um ano ( quando tinha seis anos, mas o que é que querem, eu era uma medricas!). Sinto um pouco de inveja daquelas crianças que têm 3 anos e já sabem nadar. A verdade é que é muito mais fácil aprender a nadar em criança, quando estamos na idade típica para isso ( digo "típica" em vez de "certa", porque não há idade certa para aprender as coisas, nunca é tarde de mais) e quando temos flexibilidade, do que em adultos, quando já temos medos presos à nossa cabeça e a nossa flexibilidade não é tanta. No entanto, eu não morrerei sem aprender a nadar, nem que para isso demore séculos!


E vocês? O que é que nunca fizeram?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

quinta-feira, 23 de março de 2017

5 maneiras de manteres-te forte quando a vida te deita abaixo


" Estou cansado/a de toda esta ansiedade e stress que me invade o peito, que me impede de dormir e de fazer o que quer que seja. A minha mente está cheia de pensamentos negativos, e cada centímetro do meu corpo está tenso. Sinto-me como se estivesse num ciclo vicioso, em que já não faço nada de jeito, só cometo erros, e estou cada vez mais exausto/a. Já não aguento mais!" Todos nós já tivemos pelo menos um momento destes na vida.

 É difícil estar nesta situação, em que sentimos que estamos à beira de um precipício, que o mundo à nossa volta está a desabar, e em que sentimos que estamos presos numa teia de stress e emoções negativas.  A verdade é que, às vezes, por muito bons que sejamos, a vida leva-nos a melhor e deita-nos abaixo.

No meio disto tudo, é difícil mantermo-nos fortes e com uma atitude positiva. No entanto, é essencial que assim sejamos, caso contrário, nunca saíremos deste ciclo vicioso e, pior, vamo-nos abaixo e acabamos por ceder a essa pressão.

A vida já me deitou abaixo inúmeras vezes. Não tantas como outras pessoas, talvez, mas as suficientes para eu ficar num tal estado de stress, que cheguei a achar que nunca recuperaria. Felizmente, recuperei, avancei, tudo isto porque soube manter-me forte indepentemente das circunstâncias.


1. Permite-te respirar: Os teu sentimentos e pensamentos negativos podem ser como nuvens cinzentas num dia escuro de inverno. A melhor maneira de combateres essas "nuvens" é respirares de forma consciente, de forma a acalmares-te e a ficares menos ansioso/a. Pára por uns momentos para respirar e libertar a tua mente de toda a pressão que lhe tens colocado. Isto dará lugar a pensamentos e sentimentos mais positivos. Não digas que não tens tempo para fazer uma pausa. No meio de todo o stress, trabalho e ansiedade, tens todo o direito de fazer uma pausa para respirares e relaxares de vez em quando, caso contrário, quando deres conta, terás uma crise de ansiedade, e aí vais-te abaixo e não consegues fazer nada.

2. Alivia a resistência: Nós não nos damos conta porém, frequentemente, estamos a resistir à vida, e isso reflete-se no nosso corpo. Todos nós acumulamos tensões em partes do nosso corpo quando estamos stressados. Uns é no pescoço, outros é nos ombros, outros é nas costas. A mim, por exemplo, por incrível que pareça, o sítio onde acumulo mais tensões é na barriga ( embora também acumule nos ombros). Um truque que eu utilizo muito é localizar o sítio onde tenho tensões, respirar fundo e relaxar essa parte, e voltar para o que eu ia fazer com um corpo e mente mais relaxadas. Nem sempre resulta, mas é preciso fazer um esforço nesse sentido.

3. Foca-te no teu objetivo: Um dos grandes problemas que nos leva, frequentemente, a ir abaixo, é a não estarmos focados no nosso objetivo. Em vez disso, a nossa atenção está virada para o stress que estamos a passar, para a quantidade de trabalho que temos que fazer, e para a quantidade de situações inesperadas com que temos de lidar. Assim, a probabilidade de ires abaixo é muito maior. Em vez disso, foca-te no teu objetivo, aquele que está a fazer com que passes aquilo que estás a passar. Terás vários desafios para ultrapassar na mesma, mas será um pouco mais fácil, porque sabes perfeitamente aquilo que queres.

4. Descobre a beleza por detrás da dor: Quando eu era mais nova, eu via todas as situações más e humilhantes como sendo isso, más e humilhantes. Não conseguia imaginar que, em todas essas situações, poderia haver um ponto minimamente positivo. No entanto, tal como já falei aqui, cada situação má, de sofrimento ou de humilhação tem a sua beleza, se estivermos abertos a ver isso. Por exemplo, uma situação de fracasso escolar é uma oportunidade de perceber o que estamos a fazer mal, desenvolver novas estratégias de estudo, e ter mais sucesso para a próxima. Tudo tem o seu lado positivo se estivermos dispostos a ver isso.

5. Deixa ir e começa de novo: Cada situação, momento ou relacionamento vai acabar por chegar ao fim em algum momento da tua vida. É importante perceber quando chega o fim de um período, aceitar o bom e o mau, e seguir em frente. Devemos perceber quando é altura de seguir e frente, de avançar, e deixar o passado onde ele pertence, no passado, para podermos apreciar o presente e as próximas oportunidades que nos forem surgindo.


E vocês? O que fazem para se manterem fortes quando a vida vos deita abaixo?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

quarta-feira, 22 de março de 2017

10 coisas que te deves relembrar no teu estágio de enfermagem


Há uns tempos atrás, fiz um post com dicas para um estágio bem sucecido e, embora essas dicas também se apliquem em estágios de enfermagem, decidi escrever algo mais específico ao meu curso.

Como já devem ter lido no meu blog, Enfermagem é um curso muito prático, que nos permite estagiar em hospitais, centros de saúde e lares de idosos desde muito cedo. No meu caso, comecei a estagiar logo no primeiro ano, em Maio, e nos anos seguintes, estagiarei sempre todo o 2º semestre.

Cada estágio é diferente, tem exigências diferentes e, embora a dificuldade destes estágios vá aumentar de ano para ano, conforme aquilo que vamos aprendendo, há sempre princípios básicos que nos devemos relembrar, não só enquanto estagiários, mas também no futuro, quando formos enfermeiros.


1. Veste-te de forma apropriada: Isto é válido não só no teu estágio, mas para a tua futura profissão. Veste a tua farda sempre direitinha, bem passadinha, e veste outra quando a sujas ( nada pior do que ir com uma farda suja para junto do doente). Prende sempre o cabelo, não andes com qualquer tipo de acessórios ou bijuteria, nem pintes as unhas ou uses unhas de gel ( pois toda a sujidade das tuas mãos ficará presa no verniz).

2. Relembra-te de lavar as mãos: Sobretudo em contexto hospitalar. No hospital, deves lavar as mãos em 5 momentos, antes do contacto com o doente, antes de contactos limpos ou asséticos (por exemplo, aspiração de secreções ou injeção subcutânea), após risco de exposição a fluídos orgânicos, após contacto do doente e após contacto com ambiente do doente ( ou seja, quando sais do quarto do mesmo). Durante o teu estágio e toda a profissão, lavarás muitas vezes as mãos, pelo que estas ficarão facilmente secas. Para as manteres mais hidratadas, anda sempre com um creme de mãos pequeno no bolso da farda.

3. Mantém sempre a privacidade do doente: Esta é, muito provavelmente, uma das primeiras coisas que aprendi quando entrei em Enfermagem. Devemos sempre zelar pela privacidade do doente, e isso significa fechar as cortinas para realizar procedimentos como banho no leito ou algaliação, nunca deixar o doente despido nem descoberto se tiver na cama,...

4. Deves incentivar sempre a autonomia dos teus doentes: Foi uma das lições que aprendi no meu primeiro estágio, muito importante. Muitos pacientes têm a ideia de que, quando estão internados num hospital, os médicos, enfermeiros e auxiliares vão fazer tudo por eles, mas na realidade não é assim. A nossa função é curar os doentes mas, ao mesmo tempo, certificarmo-nos que ficam progressivamente mais independentes para que, quando tiverem alta, sejam capazes de levar uma vida o mais normal possível. Isto significa que se um doente pode andar, devemos incentivá-lo a dar um passeio pelo serviço, devemos incentivá-lo a comer sozinho, a dar banho sozinho,...

5. O banho é um momento privilegiado para o exame físico: Outra das lições que aprendi no meu primeiro estágio. O banho é momento ideal para realizar o exame físico ao doente, avaliar a pele, ver se há algum edema ou sinal de inflamação, feridas, úlceras de pressão,... É por isso que devem ser os enfermeiros a dar banhos aos doentes e não as auxiliares.

6. Nunca te esqueças da regra dos 6 certos quando administrares medicação: A regra dos 6 certos é muito importante na hora de administrar medicação, pois evita muitos erros, muitos acidentes e, possivelmente, muitas mortes. Os 6 certos são medicamento certo, dose certa, via certa, horário certo, doente certo e registo certo.

7. Quem prepara administra: Outra das coisas que ouvi muito nas minhas aulas, principalmente este ano. O enfermeiro que prepara a medicação e confirma os 6 certos, deve ser aquele a administrar, para evitar erros e/ou trocas de doentes.

8. Caso tenhas dúvidas, nunca realizes um procedimento: Principalmente se envolver administrar medicação. Foi o que nos disseram no primeiro dia do estágio deste ano. Caso tenhamos alguma dúvida, por mais pequena que seja, no material, na teórica ou na execução do procedimento, nunca o devemos realizar sem antes tirar a dúvida. Realizar algo com dúvidas pode ter consequências muito graves na nossa profissão, podendo levar até à morte de doentes ( uma simples diluição mal feita já é o suficiente).

9. Respeita sempre a vontade do doente: Nós temos o conhecimento, a técnica e os recursos para ajudar o doente mas, no final, é ele que tem a última palavra. Qualquer doente ( desde que consciente.,se não for, é a família ou alguém responsável por ele que decide) tem o direito de rejeitar os tratamentos, mesmo que estes tratamentos sejam a sua diferença entre a vida e a morte.

10. Lembra-te do lema " não faças aos outros o que não queres que te façam a ti": Isto é válido em tudo na vida, mas principalmente em enfermagem. Pensa naquilo que farias se tivesses um familiar ou se fosses tu que tivesses internado. Pensa depois na maneira como gostarias que tu ou esse teu familiar fosse tratado. É assim que deves agir sempre perante os teus doentes.


Alguém de Enfermagem por aí? Quais são as dicas que dão ao estagiários para estes terem sucesso?

 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

terça-feira, 21 de março de 2017

Como sobreviver a uma viagem longa de autocarro


Gosto muito de viajar, de visitar novos sítios, e gosto de andar de comboio ou avião, mas odeio mesmo longas viagens de carro/autocarro. Para mim, passar mais de 2 horas num carro ou autocarro é uma tortura!

No entanto, as viagens de autocarro são, por vezes, a forma mais barata e mais rápida de chegar a algum sítio. Assim, não temos outro remédio senão mesmo aguentar uma longa viagem neste meio de transporte, mas felizmente existem formas de sobreviver à viagem e fazer com que o tempo passe mais depressa.


1. Se possível, viaja de noite: Desta forma, poderás passar a viagem toda a dormir. Leva uma almofada e uma mantinha para estares mais confortável. Não é algo que resulte comigo, pois não consigo adormecer em autocarros, a não ser que esteja extremamente cansada. Mas reconheço que é uma boa maneira de sobreviver à viagem, pois dormir faz com que o tempo passe muito mais depressa.

2. Escolhe um bom lugar: Se tu gostas de ir à frente ou de ir no lugar à beira da janela, certifica-te que compras o bilhete com antecedência para poderes reservar esse lugar. Caso não dê para reservar, vai mais cedo para te sentares nele. Garantir um lugar confortável é sempre uma grande mais valia para te sentires melhor durante a viagem.

3. Carrega e leva os teus dispositivos eletrónicos: Não queres estar a meio da viagem e, de repente, ficares impossibilitado/a de contactar alguém, porque o teu telemóvel ficou sem bateria. Além disso, carregar outros dispositivos como o teu leitor de música ou computador garante que tens com que te entreter durante todo o percurso.

4. Leva phones: A não ser que queiras ser aquela pessoa odiada por toda a gente do autocarro, leva phones para ouvir música.

5. Leva alguma comida contigo: Em algum ponto da viagem, certamente que irás ter fome, portanto leva comida leve que possas comer no autocarro, como pão ou bolachas. Além disso, leva dinheiro para tomares um café ou almoçar algo numa estação de serviço.

6. Mantêm-te hidratado, mas tenta beber o menos possível: Não vou dizer para morreres à sede, porque isso não faz nada bem à saúde, mas tenta beber o menos possível. Durante a viagem, é pouco provável que pares muitas vezes em estações de serviço, pelo que irás ter acesso limitado às casas de banho. Além disso, não sei se sou a única a achar isto, mas ir a casas de banho dentro dos autocarros é mesmo esquisito, não gosto mesmo de ir.

7. Leva lenços de papel e desinfectante de mãos: A maioria das casas de banho das estações de serviço são nojentas, nunca têm papel higiénico e, por vezes, até é preferível não lavar as mãos do que lavá-las naqueles lavatórios sujos. O melhor é ir prevenido/a, por isso leva lenços de papel e desinfectante de mãos para utilizar depois de ires à casa de banho.

8. Veste-te de forma confortável: Não queres estar 6 horas no autocarro, por exemplo, com roupa demasiado apertada e calçado demasiado confortável. Certifica-te que levas roupa confortável, um pouco larga, umas sapatilhas, e um casaco quente para o caso de estar frio.

9. Quando o autocarro fizer paragens, estica as pernas: Isto é essencial, uma vez que estarás muito tempo sentado/a e parado/a num lugar, e os teus ossos e músculos poderão ficar um bocadinho atrofiados. De cada vez que o autocarro parar numa estação de serviço, sai para dar uma volta, esticar as pernas e apanhar um pouco de ar puro.

10. Fala: Se estiveres com um amigo ou familiares, falar é uma boa maneira de passarem o tempo e, se forem viajar, planear melhor todos os sítios que querem visitar.



E vocês? Quais são os vossos truques para sobreviverem a uma viagem longa de autocarro?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

segunda-feira, 20 de março de 2017

20 coisas que me põem instantaneamente feliz


Muitas vezes, estamos tão submersos na nossa rotina diária, nos nossos trabalhos e nos nossos problemas, que nos esquecemos de fazer uma coisa tão simples: ser felizes. E pode ser um cliché, mas é verdade: a felicidade está nas pequenas coisas.

Porque hoje é o dia internacional da felicidade, decidi partilhar com vocês as coisas que me põem instantaneamente feliz.


1. Chocolate!

2. Comprar um novo livro e lê-lo em menos de 48 horas.

3. Experimentar umas calças que são um número abaixo daquilo que eu costumo usar, mas servem mesmo! Sou saudável e atlética!

4. Casal idoso a passear de mãos dadas na rua. Fazem-me sentir que ainda há esperança no amor.

5. Ver o pôr/nascer do sol. Já vi muitos, mas continuam a ser a coisa mais bonita do mundo.

6. Ouvir a minha música favorita em modo repeat.

7. Quando ligo a televisão e o meu filme favorito acabou de começar.

8. Tomar café depois da hora de almoço. Sabe-me sempre bem, principalmente no inverno.

9. Pessoas que perdem tempo para ler o meu blog ( pontos extra para quem deixa um comentário fofo!).

10. Sair das aulas às Sexta-feira.

11. Quando o meu cabelo está perfeito ( isto parece fútil, mas quem tem um cabelo encaracolado e rebelde sabe que isto é raro).

12. Surpresas ( das boas).

13. Fazer as pessoas rirem.

14. Elogios de estranhos.

15. Reencontrar amigos antigos e sentir que é como se sempre tivéssemos mantido contacto com eles.

16. Adormecer ao som da chuva.

17. Quanto tenho mais visitas no meu blog do que o normal.

18. Quando alguém faz um link para o meu blog ou partilha um texto meu nas redes sociais.

19. Quando descubro que um professor não vem dar aula e vou mais cedo para casa ( agora na faculdade a felicidade ainda é maior, uma vez que chego a casa sempre tarde).

20. Falar com a minha melhor amiga até às 2 horas da manhã sobre coisas que só ela compreende.


E vocês? O que vos põe imediatamente felizes?

 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

domingo, 19 de março de 2017

5 hábitos que formam uma família feliz


Todas as famílias são ocupadas à sua maneira. Todos nós estamos sempre a tentar gerir a nossa vida social da melhor forma possível, dividindo o tempo entre familiares, amigos, namorados e colegas de trabalho. Nem sempre é fácil e nem sempre somos bem sucedidos nesta tarefa.

É muito fácil perdermo-nos no caos que pode ser o nosso dia a dia e, hoje em dia, quando nos falta tempo para algo, quase sempre cortamos tempo na família, o que é injusto porque, afinal, a família é o bem mais precioso que temos, e das poucas pessoas que estarão sempre ao nosso lado, aconteça o que acontecer.

Tenho sorte em poder dizer que tenho uma família muito unida. Somos todos muito diferentes uns dos outros, discutimos frequentemente  (mas sempre de forma saudável), mas apoiamo-nos sempre mutuamente em todas as situações. Tenho sorte em poder dizer que, quando me vejo aflita com alguma situação, tenho logo pelo menos duas ou três pessoas a quem recorrer. Falando da minha família mais próxima ( os meus pais), fico feliz por saber que,  numa época de tantos divórcios, eles continuam juntos apesar de todas as dificuldades e, juntos, como uma família, já criámos muitas memórias felizes.

Baseado na minha educação e opinião, estes são os 5 hábitos que eu considero que formam uma família feliz.


1. Tomam o pequeno-almoço juntos: Os dias começam a ficar ocupados à medida que as horas passam, por isso, a minha família acorda sempre cedo, para nos certificarmos que comemos juntos sem engolir a comida. Infelizmente, é um hábito que nem toda a gente tem. Muita gente nem toma pequeno-almoço, quanto mais tomá-lo com a família.

2. Comem todas as refeições possíveis juntos: Na minha família, nem sempre é possível almoçarmos juntos, ou porque eu estou na faculdade, ou porque estou a estagiar. Porém, jantamos sempre juntos, à mesa, sem televisão nem outras distrações. Acho que este momento em família é importante, quase sagrado, nem que estejamos apenas a comer calados, a fazer companhia uns aos outros. Chocam-me amigas minhas que contam que jantam cada um no seu canto, um no quarto, outro na sala,...

3. Têm algum tempo para eles próprios: Passar tempo com a família é muito bom, mas também é bom passarmos tempo sozinhos de vez em quando. Na verdade, até é bastante saudável, todos nós precisamos de passar tempo sozinhos para relaxar e organizar as ideias ( lê: 10 benefícios de passar tempo sozinho/a). Todos nós precisamos de um escape, algo que nos faça "desligar" da realidade. Respeitar o espaço pessoal de cada um é a chave para uma família feliz.

4. Falam uns com os outros: Conversas abertas e sinceras são essenciais para o bom funcionamento de uma família. Discutir problemas, preocupações, sonhos, objetivos e expectativas é fundamental para um melhor relacionamento entre todos. Grande parte dos problemas entre familiares resulta da falta de comunicação.

5. Têm tradições: As tradições familiares são memórias que nos acompanham para o resto da vida, e que terão sempre um lugar especial no nosso coração. As tradições podem significar ir à missa todos os domingos e comer um pastel de nata no final, podem significar as habituais férias na casa de praia que têm ou ir ao cinema todos os sábados. O importante é criarem pelo menos uma tradição que vos identifique, e que seja mais uma "desculpa" para passarem mais tempo juntos.


E vocês? Quais são os hábitos que acham que formam uma família feliz?
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png

sexta-feira, 17 de março de 2017

10 perguntas que deves fazer a ti mesmo/a no fim de cada semana de trabalho


Andamos tão ocupados hoje em dia que, por vezes, parece que o tempo voa e nós nem nos apercebemos. Muitas vezes, passam semanas, e nós sentimos que não fizemos grandes progressos em relação àquilo que planeámos.

Desde que entrei no secundário que, para combater isto, desenvolvi o hábito de, no final de cada semana de trabalho ( ou seja, à sexta-feira), fazer uma reflexão sobre os pontos positivos de cada semana, aquilo que correu bem e aquilo que correu mal, e o que podia melhorar. Fazer esta perguntas a mim mesma no meu processo de reflexão ajudou-me imenso, pelo que espero que também seja uma ótima ajuda para vocês.


1. Fiz tudo aquilo que tinha de fazer?: Fizeste todos os trabalhos que tinhas que fazer? Escreveste todos os relatórios? Fizeste todas as tuas tarefas? Se a tua resposta a estas perguntas é não, talvez esteja na altura de pensares numa melhor maneira de te organizares. Uma boa estratégia para chegares ao final da semana com tudo feito, é escreveres a cada dia um to-do list com que tens de fazer nesse dia. Deste modo, chegarás ao final da tua semana de trabalho com todas as tuas tarefas cumpridas.

2. Será que me esforcei o suficiente? : Obviamente que não tens que ser um escravo/a e viver só para o trabalho, mas será que deste 100% de ti em todas as tarefas com que te comprometeste? Quando nos esforçamos, tudo fica sempre melhor feito, e o sentimento de realização é maior.

3. O que é que eu tinha mesmo que fazer, mas evitei? : Todos nós temos aquela tarefa que adiamos a todo o custo, por preguiça, mas sobretudo por medo. O medo leva-nos a que evitemos certas tarefas, o que nos leva a perder oportunidades e nos dá um sentimento de fracasso. Porém, por muito que nos custe, temos que ignorar esse medo e fazer aquilo que é preciso fazer. Sei que é mais fácil falar do que fazer, mas acredita que evitar as coisas só cria problemas maiores no futuro.

4. Quais foram as coisas que te retiraram mais energia esta semana, e o que podes mudar para evitar isso? : Quais foram as coisas que te retiraram mais energia, emocionalmente e fisicamente? Pode ter sido um relatório enorme, uma reunião importante, uma apresentação stressante,... O que podes fazer para mudar isso? Se é um relatório que te está a tirar energia, talvez seja melhor que, para a próxima, comeces a fazer este mais cedo, para teres tempo de fazer tudo com mais calma e, por sua vez, te cansares menos. Deves mudar e/ou descartar tudo aquilo que te esteja a tirar energia fisica e/ou emocionalmente. Se, por exemplo, estás a odiar o teu novo emprego, tenta adaptar-te, mudar a tua atitude ou, se ainda assim o odiares, despede-te.

5. Existiram momentos de conflito e de que maneira poderia evitá-los?: Todos nós temos conflitos de vez em quando, quer a nível pessoal quer a nível profissional mas, muitas vezes, estes poderiam ser evitados. Eu odeio conflitos e tento sempre evitá-los porém, quando tal não é possível, penso naquilo que correu mal e em como posso evitar situações semelhantes no futuro.

6. O que é que eu posso mudar na minha semana para a tornar mais divertida? : A tua semana tem-se resumido, a dormir, acordar e ir para o trabalho? Talvez haja algo que possas fazer para a tornar mais divertida. E não venhas com a desculpa de falta de tempo! Se soubermos estabelecer prioridades, arranjamos tempo para tudo ( lê este post). Pensa em alguma atividade de tempos livres, como ler ou ir ao ginásio, que possas encaixar na tua rotina. Podes ter a opção até de te livrares de tudo aquilo que torne a tua semana chata ( como idas à casa da sogra, por exemplo).

7. Dediquei tempo a mim mesmo/a esta semana? : Tal como já disse aqui , sou uma grande defensora de que devemos reservar sempre algum tempo só para nós mesmos, para descansarmos, relaxarmos e cuidarmos de nós mesmos. Não se trata de egoísmo, trata-se de algo que todos nós precisamos de vez em quando para nos sentirmos melhor na nossa pele.

8. Fiz algo que contribuiu para ficar mais perto de atingires os meus objetivos? : Todos nós temos sonhos e objetivos que queremos realizar a curto ou a longo prazo, quer pessoais quer profissionais. No entanto, temos que ir fazendo algo todos os dias para que, pouco a pouco, possamos atingir esses objetivos. Será que fizeste algo esta semana que contribuiu para atingires os teus objetivos, ou esqueceste-te por completo destes?

9. O que é que eu planeei para este fim de semana? : Planeaste uma semana de trabalho, a fazer todos os trabalhos atrasados ou a adiantar trabalho? Ou planeaste uma semana de descanso, para conviver com a família ou amigos?

10. Qual será o primeiro passo lógico para a próxima semana? : A próxima semana é uma nova oportunidade de manter aquilo em que já és bom, de melhorar aquilo que precisas de melhorar, e uma nova oportunidade de dares mais de ti.



E vocês? Costumam fazer uma reflexão no final de cada semana? Contem-me tudo nos comentários.

Lê também: Coisas que podes fazer num domingo para uma semana mais produtiva .
 photo assinatura_zpsrhqg6p3f.png